Vende-se

A vida tem momentos que não controlamos. Estou a viver um deles.

Abri uma empresa, como vocês sabem, e agora, por uma má decisão, terei que terminar este sonho. Quis muito ter o meu próprio negócio, ser dona do meu tempo e ajudar quem precisasse e estivesse disposto a trabalhar. Agora, tudo isso vai acabar e tenho que vender a sede da empresa, que é também a casa de infância do meu marido. É triste, mas o caminho é em frente e eu não desistirei facilmente por causa de um percalço.

Decisão difícil

Pensei muito, conversei muito com o meu marido, e parceiro de vida, e tomei uma decisão: vender a casa da imobiliária. Não resolverá tudo, mas vai ajudar a reorganizar as coisas.

É o desistir de um sonho. Lamento que elas percam os seus sonhos para mudarem de vida, e algumas para terem, finalmente, uma vida independente.

Lamento.

O fim.

esperar

Quando iniciei esta epopeia e me aventurei em abrir uma empresa, e empregar aquelas mulheres, nunca pensei chegar ao fim. Eu sei que tudo acaba, que tudo tem um fim, que todos nós temos um fim. Nunca imaginamos, ou aceitamos a ideia, de que poderá ser tão cedo.

Agora, chegada aqui, vejo-me num beco sem saída. Não tenho outra hipótese senão acabar este sonho, embora me custe bastante, para meu bem e para bem delas. Elas vão conseguir abrir novos caminhos e acredito que conseguirão organizar as suas vidas. Eu acredito que sim. Acredito sempre.